terça-feira, 4 de agosto de 2015

Arquidiocese Maior de Ernakulam-Angamaly dos Siro-Malabares



A Arquidiocese Maior de Ernakulam-Angamaly é a Sé Primacial da Igreja Siro-Malabar, uma das 22 Igrejas Orientais Sui juris em comunhão com a Igreja de Roma.

É uma das duas Igrejas dos Cristãos de São Tomé ou Mar Thoma Nasranis, cuja história remonta aos primórdios da era cristã. Segundo a tradição, São Tomé teria evangelizado o sul da Índia, mais precisamente o Kerala, no ano 52. Ali o Apóstolo teria convertido 12, em alguns relatos 32, famílias brâmanes, as quais deram origem aos Nasranis. A fonte escrita mais antiga são os Atos de Tomé, escritos no início do século IV, provavelmente em Edessa. Há referências à evangelização de São Tomé na Índia em Ambrósio, Gregório Nazianzeno, Jerônimo e Efrém. Eusébio de Cesareia menciona a visita de seu mestre, São Panteno, a comunidades cristãs na Índia no século II.

Com a chegada de missionários da Pérsia, da Igreja do Oriente, a Igreja na Índia se organizou e se expandiu com a chegada de São Tomás de Caná ou Canaã. A ele se deve a origem dos cristãos Knanaya, do sul, distintos dos cristãos do norte, descendentes diretos de São Tomé Apóstolo. No início do século IV, o Patriarca da Igreja do Oriente providenciou bispos e sacerdotes e, no século sétimo ampliou sua jurisdição sobre a Índia. Embora a Igreja da Índia nunca tivesse rompido a comunhão com a Igreja universal, por depender do Patriarca da Igreja do Oriente, já estava no cisma desde o século V.

No século VIII o Patriarca Timóteo I organizou a Província da Índia regida por um bispo enviado da Pérsia com o título de Metropolita da Sé de São Tomé e de toda a Igreja Cristã da Índia. Sua sede era provavelmente Cranganore ou Mylapore. Havia sob sua jurisdição certo número de clérigos, como também o Arquidiácono nativo, com autoridade sobre os clérigos e muitos poderes seculares.

Ao longo dos séculos, a distância e problemas geopolíticos levaram ao rompimento de contato entre a Igreja da Índia e a Igreja da Mesopotâmia em vários momentos, levando mesmo à supressão da Metropolia no século XI. As relações foram restabelecidas em 1301, mas novamente cortadas no mesmo século XIV com o colapso da Igreja do Oriente. No século XV a Igreja da Índia ficou sem metropolita por inúmeras gerações, tendo seus poderes sido exercidos pelo Arquidiácono.

Os Nasranis encontraram-se com os portugueses em 1498, quando se deu a expedição de Vasco da Gama. Logo firmaram com os portugueses uma aliança a fim de se protegeram durante um período de instabilidade política. Os portugueses fundaram uma Arquidiocese Latina em Goa e puseram os cristãos indianos sob a jurisdição do arcebispo latino.

Embora inicialmente moderados em sua relação com os cristãos nativos, os portugueses tornaram-se cada vez mais agressivos e, quando um cisma dividiu a Igreja do Oriente em duas, com dois patriarcas, os portugueses souberam manobrar a situação em seu favor e controlar a Igreja na Índia. Nem o patriarca da Igreja do Oriente nem o da Igreja Caldeia, em comunhão com Roma, puderam governar a Igreja da Índia. Em 1599, após a morte do último Metropolita Caldeu, Mar Abraham, o Arcebispo de Goa, tendo garantido a submissão do jovem Arquidiácono, organizou um sínodo em que implementou inúmeras reformas administrativas e litúrgicas na Igreja da Índia. O sínodo trouxe formalmente a Igreja da Índia à comunhão com a Igreja Católica, embora nunca tenha havido um rompimento formal. Mas algumas medidas de caráter social e litúrgico, assim como outras políticas coloniais, geraram insatisfações e revoltas.

Em 1653, o Arquidiácono Tomás reuniu-se com representantes da comunidade que decidiram não se submeter ao Arcebispo de Goa e reconhecer apenas o Arquidiácono como Pastor. Decidiram ainda que o Arcebispo devia ser consagrado bispo, o que se fez pela imposição de mãos de doze sacerdotes. Assim nasceu uma Igreja nativa, independente dos portugueses e governada pelo Metropolita de Malankara. Os portugueses tentaram uma reconciliação, mas não tiveram sucesso.

O Papa Alexandre VII enviou um bispo siríaco como chefe de uma delegação que conseguiu convencer a maioria de que a consagração do Arquidiácono como bispo foi inválida. O sacerdote Parambil Chandy Kathanar foi consagrado bispo com o título de Metropolita de toda a Índia em 1662. Mar Chandy foi o primeiro Matropolita nativo. Aqui surgiu o primeiro cisma permanente entre os cristãos da Igreja da Índia, os seguidores de Mar Chandy e os do Arquidiácono Tomás, a Igreja dos cristãos malabares (costa malabar da Índia) descendem dos primeiro, e a Igreja Malankar (ilha de Malliankara, lugar em que aportou São Tomé), dos últimos.

Com a morte de Mar Chandy em 1687 e sem um sucessor nativo, os cristãos de São Tomé passaram a ser governados por hierarcas latinos. A partir de 1887 ganharam sua própria circunscrição eclesiástica coma criação do Vicariato Apostólico de Kottayam dos Siro-Malabares, posteriormente dividido em dois, os Vicariatos Apostólicos de Changanacherry e o de Ernakulam. Em 21 de dezembro de 1923 o Vigariato Apostólico foi elevado a Metropolia e o Metropolita se tornou o chefe da Igreja Siro-Malabar.

Em 16 de dezembro de 1992, o status canônico foi elevado a Arquidiocese Maior com o nome mudado para Ernakulam-Angamaly, e o metropolita se tornou Arcebispo Maior com a jurisdição equiparada a de um patriarca.

A Igreja usa o Rito Siríaco Oriental, o qual compartilha com a Igreja Caldeia, da qual descende. No seu território de origem conta com 4 milhões e meio de fiéis e alguns milhares em países de recente imigração indiana. É a segunda Igreja Oriental Sui juris em número, atrás apenas da Igreja Ucraniana.

Está organizada em uma Arquidiocese Maior, 4 Arquidioceses Metropolitas, 26 dioceses, duas das quais no exterior (EUA e Austrália), e um Exarcado Apostólico (Canadá).

Governo

Sua Beatitude Eminentíssima o senhor Cardeal Mar George Alencherry
Arcebispo Maior de Ernakulam-Angamaly dos Siro-Malabares



Nascimento: 19/04/1945 em Thuruthy, Índia.
Ordenação Sacerdotal: 19/11/1972
Sagração Episcopal: 2/02/1997 como Bispo de Thuckalay dos Siro-Malabares.
Eleição: 24/05/2011, confirmada pelo Papa em 25/05/2011
Cardinalato: 18/02/2012

Site Oficial da Arquidiocese Maior: http://www.ernakulamarchdiocese.org/index.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário